Homilia XVIII do Tempo Comum
Os pormenores que fazem a diferença
Quantas vezes já nos aconteceu serem alguns detalhes que fazem a
diferença? São muitos os exemplos concretos em que esses detalhes são
muitas vezes linhas ténues que fazem grande diferença na nossa vida. Por
uma décima posso não entrar no curso superior que gostaria, por um
cêntimo posso não levar o produto que quero, por um minuto posso
perder o comboio… Enfim, são muitos os exemplos que poderíamos dar,
tal como no Evangelho de hoje (Mt 22,1-14), em que nos é relatado o caso
de um homem que, por não vestir um traje nupcial, não pode entrar no
Reino de Deus.
Os detalhes recordam-nos que existem critérios muito importantes para a
nossa vida. Utilizando as imagens anteriores poderíamos dizer que aquela
décima recorda-me o quanto devo estudar, aquele cêntimo recorda-me o
valor do dinheiro, aquele minuto diz-me a importância de chegar a horas.
E o traje nupcial recorda-me o como tenho de estar diante de Deus.
Mas o nosso Bom Deus é o Deus das últimas oportunidades. É o Deus que
acolheu o bom ladrão no último momento da vida. É o Deus que perdoou
a Pedro mesmo quando tudo parecia imperdoável. É o Deus que chama
um publicano esquecido num sicómoro. É o Deus que salva uma prostituta
do apedrejamento. É o Deus que, como Rei, prepara um banquete para
todos e a todos dá a oportunidade de participar na sua vida. É o Deus que
te diz “Amigo, levanta-te, vai mudar o teu traje”, ou seja, vai mudar a tua
vida e volta. No fundo, é como se fôssemos convidados para aquela festa
temática e, quando lá chegamos, o organizador nos diz, vai lá trocar o fato
que eu reservo o teu lugar, mas despacha-te.
Todos estamos chamados à Salvação, o problema é que nem todos a
queremos. Deus abre a todos a oportunidade de participarem desta vida
divina, mas nem todos são escolhidos, não por vontade de Deus, mas por
nossa própria vontade. Parece simples a escolha, parece tão simples
ganhar o céu. Mas por que é que é tão difícil alcançá-lo? Este é o nosso
calcanhar de Aquiles.
A melhor forma de encarar este desafio, ou seja, de justificar a nossa
eleição, é olharmos para a nossa vida como um caminho que se faz com
trabalho, dedicação, que por vezes tem curvas, outras vezes é
montanhoso, e outras é plano. A santidade de vida conquista-se nas lutas
diárias, no esforço pessoal. Ganhar o céu dá trabalho, fazer o bem dá
trabalho, amar dá trabalho. Retiremos da nossa vida a ilusão de que para
ganhar o céu, mesmo na última hora, é algo fácil. Todos aqueles que Deus
salva, tiveram, têm e terão sempre dificuldade em assumir uma vida nova
em Cristo. Quantos irmãos para ganharem o Reino de Deus tiveram de
mudar de vida? Quantos tiveram de arrepender-se? Quantos tiveram de
pedir perdão? Isto custa, mesmo que seja no último momento da nossa
vida.
Deus dá-nos uma vida inteira para nos prepararmos, não guardemos para
a última, pois, se esperamos pelo detalhe, pela última oportunidade, ou
pela última hora, podemos correr o risco de nos despistarmos. E, apesar
do nosso Deus ser o Deus das últimas oportunidades, nós somos muitas
vezes esses homens que não as sabem agarrar.

 

 

 

Avisos para a semana

Folha Dominical

13 Setembro 2020
226 Downloads
06 Setembro 2020
233 Downloads
30 Agosto 2020
189 Downloads
23 Agosto 2020
15 Downloads
16 Agosto 2020
161 Downloads

Próximos eventos

Jornal Mensal

Visitas

095327
Hoje
Ontem
Esta semana
--
Este mês
Mês passado
Todas
113
193
797
92921
4169
6622
95327

Your IP: 3.224.127.143
2020-10-22 17:58